outubro 30, 2012

É este o seu significado de vida?







Saber qual o real significado da nossa vida é uma pergunta que se aida não fizemos um dia faremos. É uma pergunta que vai além dos interesses cotidianos da vida, pois é de caráter existencial, profundo, condutor, subjetivo, também teleológico até mesmo uma teodicéia.

Para pessoas que gostam de filmes como eu, com um senso um pouco mais aguçado de reflexão (ainda que eu também goste de filmes estilo hollywoodiano), aconselho assistirem o filme “Sunset Limited”. Este filme tem sido traduzido para o Brasil como: “No limite do pôr do Sol”, ou “No limite da Razão”. De qualquer forma será um filme fácil de assistir, seja para quem tem acesso a filmes on-line, DVD ou queiram comprar.

Neste filme há dois homens, um cético/ateu outro religioso/evangélico, debatendo acerca do “sentido da vida”, um contrapondo ao outro num diálogo que se desenrola por mais de 1hr de filme. Um diálogo alucinante onde o ateu tenta provar para o religioso que a vida não tem significado algum, enquanto o religioso faz o contrário.

Este filme é o típico filme que fala exatamente da pergunta que em determinado momento de nossas vidas devemos fazer a nós mesmos: qual o significado da nossa vida?

Porém, pior do que um cético que foge dos significados mais substanciais da vida, tratando os significados apenas no plano da vida cotidiana, há aqueles que acreditam que encontram um significado para suas vidas, quando na verdade não passam de frágeis ilusões, e infelizmente muitos desses são os religiosos.

O perigo daqueles que se agarram à religião imputando a ela falsos significados, passam a viver suas vidas achando que encontram um real significado, quando na verdade estão presos a ilusões. E se pensarmos no sentido último que podemos entender do que seria o significado da vida, neste sentido, ele está pior do que um cético, pois um cético admite não ter um significado último para sua vida, então a vive naturalmente, enquanto o religioso acaba preso a falsos significados não se permitindo encontrar um que seja genuíno, então vive uma vida irreal, ilusória, desconexa da realidade.

Neste sentido um religioso faz da religião um perigo, pois a ela imputa uma falsa sensação de ter encontrado seu motivo de viver, e baseado nesta falsa sensação toma algumas decisões perigosas como: mudar de emprego, de casa, de país, etc. Alguns chegam até abandonar antigos sonhos, ou até mesmo criam novos sonhos estranhos, tudo isto baseado nestes significados ilusórios, e quando vão caminhando para o final de suas vidas começam a perceber que estão em um caminho sem volta. Então se tornam religiosos superficiais, moribundos, anêmicos, dogmáticos, pois percorreram suas vidas pautadas em falsos significados.

O significado da vida exige outras perguntas como: este significado me levará para onde? Quem se envolverá nesta minha trajetória de significado? Qual o preço que estou disposto a pagar para este significado? Este significado não está ligado a interesses puramente egoístas ou efêmeros? Este significado alcança outras pessoas? Este significado está claro para mim?


Talvez eu poderia colocar outras perguntas aí, mas o que importa é saber que encontrar o significado para nossas vidas não é igual a escolher a marca de um carro novo, um emprego, ou com quem casar-se. O significado da vida é algo que exige muito mais profundidade, tempo de reflexão, cuidado, avaliação e compartilhamento.

Cuidado para que o significado que você esteja dando para sua vida não passe de falsas ilusões, que futuramente cobrarão muito caro de você.

Att.

Fabiano Mina