julho 02, 2012

São poucos os que têm estômago! E os que têm cuidem dele!



Normalmente quando se fala que alguém tem estômago (forte), quer-se dizer que esta pessoa tem uma capacidade de lhe dar com situações difíceis das quais a maioria das pessoas não tem.

Não significa que seja uma pessoa geneticamente diferente, que tenha super poderes, uma espiritualidade diferenciada. Simplesmente é uma pessoa que vai ao longo da vida se preparando e se fortalecendo, encarando as situações de frente, sejam situações boas ou ruins.
É uma pessoa que prefere crescer independente dos resultados que este crescimento lhe traga, em vez de crescer sempre dependente de “bons” resultados.
E é exatamente por este motivo que não são muitas pessoas que possuem estômago (forte). A maioria prefere sempre um alimento simples – light - tipo aqueles que gostam de comer só comida natural (?), com medo dos outros alimentos causarem algum problema estomacal.

Veja que pessoas que não têm estômago (forte), nunca poderão estar na frente de uma batalha, de uma liderança, de empresas, de organizações. Nunca poderão ser tomadores de decisões, nunca poderão ser a última palavra, nunca poderão assumir responsabilidades, nunca poderão debater idéias, diferenças, nunca poderão olhar no olho e falarem o que pensam; pois para isto teriam que estar dispostos a “comer de tudo”.

Dependendo das situações em que você se encontrar, você não poderá se dá ao luxo de esperar uma comidinha light, terá que comer o que estiver ao seu alcance. E nem todos estão dispostos a comer aquilo que está ao alcance, mas só o que é interessante (convém).

Estes são aqueles que sempre almejam liderança, estar à frente de alguma coisa, serem reconhecidos, querem postos, cargos, holofotes, mas não querem as intempéries que estas responsabilidades trazem. E por isso vivem como “urubus”, sorrateiros, fingindo ser o que não são, criticando o que não fazem, reclamando do que não constroem. Querem ser ouvidos, mas não querem ouvir o que se tem para falar sobre eles. São ótimos críticos, mas péssimos quando criticados. São ávidos para perceberem as falhas dos outros, mas cegos para verem as próprias falhas, e quando às vêem, tratam-na como se fossem “bichinhos de estimação”, dando gargalhadas de suas falhas como se todos tivessem que recebê-las como qualidades e ainda aturar.

Não, não estou falando de pessoas imperfeitas, pois todos nós somos. Estou falando de pessoas que não sabem o seu devido lugar na “cadeia alimentar” da vida. Estão sempre almejando mais e mais, mas não estão dispostos a se alimentar do que vier à frente. Querem manter seus estômagos limpos, frescos, suaves, achando que a vida sempre lhes trará um bom prato de comida light. Quando sabemos que a vida não é assim.
Querem seus assentos reservados nas igrejas, nas empresas, em suas casas, na roda de amigos. Querem ter a palavra, querem dar opinião, querem tudo, mas fazem quase nada.
São até bons com palavras, mas dificilmente você os verá arregaçar as mangas. Priorizam suas vidas e querem que os demais se modelem a elas. Alguns até têm cara de bons moços, mas não se iludam, como diz o ditado: “quem vê cara não vê coração”.  


Estes estão em nossa volta por todo lado. E são estes que lêem este tipo de texto e até assumem que alguma coisa do texto tem haver com eles, mas depois fazem uma imensa força para falar que é com os outros, menos com eles. Pois os imperfeitos sabem que precisam melhorar seus estômagos sempre, e nem por isso se acham aptos a assumirem posições das quais ainda não estão preparados. Os de estômago fraco e ao mesmo tempo mal dizentes, não se assumem com tais e ainda querem que os de estômago forte comam suas comidinhas lights.

 Como se não bastasse os de estômago forte precisam aguentar este bando de crianças fracas fingindo ser gente grande, quando nem o leitinho aprenderam a beber ainda. Tudo bem, este é o preço de quem tem a responsabilidade de ter “estômago forte”. Parabéns a todos vocês de estômago forte, aguentem firme!

Fabiano Mina