janeiro 10, 2011

Está pronto para recomeçar?

Pronto! Já iniciamos 2011, então é hora de colocar em prática tudo aquilo que prometemos para 2010, e anos anteriores, que não conseguimos fazer ou ficou pelo meio do caminho.

Mas analisem comigo uma situação: certa vez, ainda quando morava na casa de meus pais, eu presenciei uma disputa entre meus pais e seus vizinhos, pois na época em que as duas casas foram feitas (dos meus pais e dos vizinhos) o responsável pela divisão dos terrenos errou na metragem fazendo uma divisão errada pela diferença de 30cmts. O que aconteceu então é que na planta da casa do meu pai indicava uma metragem, porém no início dela o muro que fazia a divisão entre a casa dos meus pais para o do vizinho entrava estes 30ctms no terreno do vizinho. Quando o vizinho resolveu certa vez fazer a reforma da sua garagem o responsável pela reforma indicou isto para ele. Desde então o vizinho passou a reclamar esta quantidade “enorme” de terreno que era de seu direito exigindo que meu pai fizesse um outro muro derrubando o antigo fazendo assim no local correto. Na oportunidade era um gasto do qual meus pais não haviam previsto o que atrapalhava muito esta negociação, mesmo assim o vizinho resolveu ser intransigente e o muro teve que vir abaixo. Então o vizinho levantou o muro no local correto no início do seu terreno a começar pela sua garagem e corredor que iniciava na calçada.
O que este vizinho não esperava era que este MESMO problema ocorria no final do seu terreno, porém, agora, com o direito invertido. Invertido porque agora era o terreno dele que estava invadindo o terreno dos meus pais. Ao chegar no final do terreno da sua casa o muro dele não estava entrando 30cmts, mas mais de 1mt. Significa que ele então é quem teria que derrubar o seu muro para que a JUSTIÇA que ele intransigentemente cobrou fosse aplicada. Enfim, fato é que até hoje este muro não foi mexido, isto porque no final da sua casa há um cômodo que ele teria que derrubar para conseguir delimitar o muro no local correto, o que lhe gastaria muito mais tempo e dinheiro do que ele poderia investir. Moral da história: ele sugeriu uma reforma da qual ele mesmo não pôde arcar, pois percebeu que a reforma exigia muito mais do que ele pretendia.

Esta história é verídica, mas a lição que devemos tirar dela vai além de uma problema de disputa de terreno entre vizinhos, a questão é: quando vamos iniciar alguma coisa em nossas vidas normalmente paramos o que iniciamos porque não estamos dispostos a enfrentar as situações que virão junto com nossas decisões. Assim como o vizinho apenas pensou no início do que pretendia, muitas vezes somos nós. Fazemos diversos planejamentos, mas esquecemos de colocar dentro destes planejamentos coisas que não podem ser planejadas, as chamadas variáveis, surpresas, as intempéries.
Na vida nada é planejado a ponto de não termos dificuldades e surpresas. A vida é interessante exatamente porque não sabemos com 100% de certeza tudo que irá acontecer. Estamos sujeitos todos os dias a enfrentar problemas, dificuldades, coisas que fogem até mesmo do nosso alcance. Então quando estas coisas surgem o que devemos fazer? Parar? Desistir? Deixar aquilo que iniciamos de lado e esperar o final do ano passar para prometer tudo outra vez? Não! O que devemos é continuar tentando, lutando, buscando terminar aquilo que iniciamos, mesmo que seja para recomeçar. E mesmo que em dado momento acharmos que aquele planejamento deve ser abortado para começarmos outro, não podemos nos esquecer que mesmo com outro planejamento as dificuldades surgirão e muitas vezes maiores do que as anteriores.

Portanto a diferença para as pessoas que se dão bem na vida para as que não se dão, não está porque uma inicia um planejamento bom e outra não, não é porque uma não tem problemas e a outra não, não é porque uma começou antes e o outra depois. A diferença está entre aquele que sabe que problemas surgirão inesperadamente e deverão ser enfrentados a todo custo, enquanto outros desistirão exatamente porque não esperavam por eles, então começarão sempre do início tudo de novo, mas apenas farão isto a vida inteira: recomeçarão, sem nunca terminar.

Esta decisão é sua – está pronto par recomeçar? Se sim, então enfrente os problemas.

Fabiano Mina.