dezembro 07, 2010

Sinceridade? Sê tá ficando louco!!!!!

Reclamamos das pessoas que não falam a verdade ou dissimulam. Mas até que ponto estamos preparados para ouvir a verdade ao nosso respeito?
Será que ao perguntar para alguém: - ei, você me acha uma pessoa chata ou egoísta? E alguém responde: - claro que acho, e você é mais do que isto! Estaremos pronto para ouvir isto e nos despedir com um obrigado?

Vivemos em um mundo de hipocrisia onde reclamamos de coisas que nós mesmos não queremos praticar. Queremos uma sinceridade de plástico, queremos pessoas verdadeiras de “mentira”, pedimos autenticidade desde que não ultrapassem nosso ego. Somos imagem e semelhança do "pau oco".

“Especialistas” de toda ordem surgem todos os dias. Temos psicólogos das mais diversas áreas, religiosos, xamãs, terapeutas, videntes, pastores, padres, bispos, semi-deuses, celebridades, políticos e o “diabo a quatro” (eh! o diabo também), mas a grande maioria não possui nenhum interesse com a verdade, pois querem falar da verdade dos outros, mas nunca da deles. Será que eles querem ouvir o quanto ganham dinheiro com a desgraça alheia, com a fé ingênua, com o psicodrama do outro, com a crença religiosa, com a necessidade social? E o fazem apenas por interesse próprio?

Será que nós queremos ouvir que buscamos relacionamentos visando uma felicidade individualista? Que queremos filhos desde que não dêem trabalho, que queremos dinheiro para esnobar o próximo, que damos esmolas para parecermos bons samaritanos religiosos, que criticamos para dar um ar de conhecimento e que elogiamos para sermos bem aceitos? Queremos mesmo ouvir o quanto estamos gordos, ou feios? O quanto nossa roupa é inadequada ou o corte de cabelo é estranho? Que não aguentamos mais algumas amizades inconvenientes ou relacionamentos de fachada? Que falamos de amor sem nunca ter amado, de paz quando guerreamos, de felicidade quando nunca a alcançamos?

Estamos mesmo dispostos a admitir que adoramos ver programas televisivos sobre a desgraça dos outros, da infelicidade do vizinho chato, da morte da nossa sogra, genro ou nora, até mesmo dos pais, para usa da herança? Queremos mesmo falar dos nosso defeitos, nossos vícios, nossos pensamentos ruins e espúrios?

Será mesmo que queremos um mundo sincero? Queremos mesmo ouvir o que somos como seres humanos?
Provavelmente a maioria não! Deve ser por isso que ninguém tem ouvido a Deus ultimamente!