junho 13, 2007

Onde queremos e podemos chegar

Nem sempre onde queremos chegar é onde podemos chegar. Esse é um conflito, uma luta que te(re)mos em nossas vidas.

Quando projetamos, criamos metas, nos planejamos, o tempo vai passando e muitas vezes a impressão é que não poderemos chegar onde queríamos. Isso, para muitos, causa repulsa, angústia, desânimo, depressão, tristeza, etc.
Mas existe uma outra forma de ver isso, que não é uma compensação, muito menos uma forma de alívio, mas muito mais do que isso é um fato a ser admitido e valorizado. Quando queremos chegar a lugares que não podemos, ou na melhor das hipóteses ainda não conseguimos, nesse “meio caminho” nós alcançamos muitas outras coisas que nem percebemos, que pouco valorizamos e aí está o erro. Quantas pessoas, experiências, situações que você viveu e deixou no esquecimento? Porquê?
Quando almejamos um curso no exterior, para chegar lá, passamos por várias etapas em nosso dia a dia de aprendizado. Quando queremos terminar um curso na universidade, lá dentro conquistamos novas amizades, aprendemos, crescemos, conhecemos outro mundo. Quando queremos nos casar, passamos por experiências com pessoas, mesmo que não sejam essas as quais casaremos, mas deixamos nossa marca em cada um delas e somos marcados e levamos isso para um futuro casamento. Quando queremos um melhor cargo na empresa, passamos por departamentos, aprendemos outros serviços. E assim por diante... todos nossos projetos, nossos planos, nossos sonhos possuem intrínsecos em si mesmos um caminho, uma jornada, da qual não se passa em branco (não deveria), mas antes vamos obtendo muitas conquistas, aprendizado, experiências, e até mesmos nossos sonhos e projetos.

Portanto, não viva a vida olhando apenas para os fins que almejamos, mas para os meios que ao longo da vida conquistamos.

Fabiano Mina

junho 12, 2007

Prejudicar porquê?

Muitos quando estão chateados com alguma coisa, com alguém, com o mundo, pensam em prejudicar outras pessoas, ou aquele com quem se está magoado. Mas a questão que surge é: adianta prejudica alguém?

Talvez isso em dado momento nos traga algum tipo de sentimento de vingança, de ter dado o troco na mesma moeda, coisas assim do tipo. Mas e depois disso o que resta?
Resta um sentimento pequeno, um sentimento de maldade, um sentimento que mostra que em nada somos melhores do que essas pessoas que nos prejudicaram, ao contrário, até piores nos mostraremos.
Então a melhor forma de mostrarmos que somos melhores, não é fazendo coisas ruins, mas demonstrando que mesmo sendo prejudicados ainda assim fazemos coisas boas, "damos a outra face para bater".

É disso que o mundo está precisando, desse tipo de atitude que desmorona qualquer pessoa, a mais prejudicial que pudermos imaginar. Quando prejudicamos a outros, prejudicamos a nós mesmos, quando ajudamos a outros, ajudamos a nós mesmos.


Fabiano Mina